Pages Menu
TwitterFacebook
Categories Menu

Postado em jul 14, 2016 em Home Theater, Planejados |

Linha 2016 – Home Theatre

 

Dez dicas para home theater em pequenos ambientes

 

 por Eduardo Bonjoch (Revista Home Theatre & Casa Digital)

 

Uma seleção de ideias criativas que vão deixar seu home theater mais bonito e funcional, sem comprometer a qualidade

Em visitas a projetos decorados em todo o Brasil, nossa equipe vem percebendo que a metragem dos imóveis está cada vez menor. No caso específico dos apartamentos, fica clara a tendência de privilegiar as opções de lazer da área comum ao invés de valorizar o tamanho de cada unidade.

A boa notícia é que, com cuidado especial na escolha dos móveis e dos equipamentos, dá para montar um home theater em cômodos de até 10m2. Mas, no geral, a maioria das salas costuma ter entre 15m2 e 20m2. Independente da medida exata que você pode destinar ao cinema doméstico, a necessidade de se adaptar aos pequenos ambientes acompanha grande parte dos brasileiros.

Para ajudar nessa tarefa, selecionamos dez boas dicas, extraídas de nossas viagens por todo o Brasil, que mostram como enfrentar a falta de espaço com criatividade, bom gosto e aproveitando ao máximo cada centímetro da casa sem prejudicar a performance do sistema.

TV 3D combina com salas pequenas
Por apresentarem menor distância entre os pixels (pontos que formam a imagem), os TVs com resolução Full-HD (hoje, a maioria dos modelos à venda) são mais indicados para salas pequenas. Destes, boa parte já é compatível com imagens em 3D, cujo efeito é valorizado quando o espectador se mantém mais perto da tela. A distância ideal para aumentar o impacto e a profundidade das imagens tridimensionais varia de pessoa para pessoa.

Um ponto de referência é optar por TVs 3D com definição Full-HD (1.920 x 1.080p, a mesma dos discos Blu-ray) de 40” a 43” para salas de 10m2 a 15m2. Mas a melhor escolha depende mesmo é da experimentação: teste telas de alguns tamanhos diferentes até encontrar aquela que proporcione uma agradável e envolvente visualização das imagens 3D quando você se posicione à mesma distância em relação ao sofá da sua casa.

Com isso, o cérebro pode fundir adequadamente as imagens destinadas a cada olho (para gerar o efeito 3D), sem provocar tonturas e enjôos nos espectadores mais. Dica: quando a tela fica presa em um painel na parede, é possível aumentar ainda mais a distância em relação ao sofá, o que é sempre bem-vindo em ambientes compactos. Já existem suportes que mantém o televisor a menos de 2cm da parede, mas precisam de mão de obra especializada para a correta e segura passagem dos cabos, evitando interferências.

Aproveite bem o espaço do móvel
Quanto menor a sala, maior a necessidade de planejar o móvel do home theater, aproveitando cada nicho e cada gaveta para acomodar equipamentos, caixas acústicas e coleções de discos. No caso dos móveis sob medida, o ideal é o arquiteto e o instalador conversem entre si, para que a peça seja produzida levando em conta as medidas de todos os aparelhos (com certa folga nos nichos para evitar problemas de superaquecimento) e os hábitos dos moradores.

Disponíveis para pronta entrega, os racks também podem acomodar bem o home theater em áreas com espaço reduzido. Rodízios, para facilitar a limpeza, e acabamento em metal, deixando o visual mais moderno, são alguns diferenciais que costumam acompanhar esse tipo de solução. Verifique ainda se existe um fundo falso, para ter rápido acesso às conexões sem comprometer o fator estético.

Caixas invisíveis: também nos canais frontais
O uso de caixas embutidas na parte frontal da sala sempre foi visto com certo receio por parte dos instaladores. O motivo é simples: para garantir o envolvimento sonoro no home theater, é importante que o áudio emitido pelos canais frontais e principalmente os diálogos reproduzidos pelo canal central sejam direcionados para os espectadores.


Isso é difícil de se conseguir com caixas embutidas, que são fabricadas para privilegiar acima de tudo o visual da sala. Mas nem todas são iguais: existem modelos com tweeter (e até woofer, em alguns casos) pivotante (móvel) e caixas motorizadas (que descem do teto apenas nas sessões de filmes, formando um ângulo de até 45o com o forro de gesso).

Na mesma linha, surgiram as caixas de embutir com painel angulado, solução com custo-benefício atraente que vem sendo muito adotada em salas pequenas. Com um desenho interno que aloja os falantes na lateral do gabinete, essas caixas permitem o correto direcionamento dos sons frontais para a área de audição.

Caixas flat: finas como o TV
Seguindo o conceito de economizar espaço, as caixas flat, que acompanham o mesmo visual e profundidade dos TVs de tela fina, surgem como excelente alternativa. Embutidos na parede, esses modelos deixam a sala moderna, leve e bonita.

Dica: verifique se as caixas frontais do tipo flat foram instaladas na mesma altura do televisor, que precisa ficar bem no meio dos canais frontais. Já a central deve ficar logo abaixo do TV, na direção do ouvido dos espectadores quando sentados no sofá, e centralizada em relação a esse aparelho e às outras duas caixas.

Integração com home office
Graças à convergência tecnológica, está cada vez mais fácil integrar áudio, vídeo e informática em um mesmo ambiente, por menor que seja. Em uma suíte de 20m2 em São Paulo (foto abaixo), o espaço onde fica a bancada do home office também foi planejado para receber o TV de 40”, o decoder de TV paga e até o condicionador de energia, destinado à proteção do sistema.

O som chega ao casal de moradores a partir das caixas acústicas de embutir, que fazem parte do projeto de sonorização ambiente. Apoiado na bancada, o notebook pode ser utilizado simultaneamente para adiantar as tarefas do dia seguinte e para garantir o compartilhamento de filmes e shows na tela grande através da rede doméstica Wi-Fi (via recurso DLNA, presente nos dois aparelhos), sem o uso de cabos.

Luzes diferentes para cada ocasião
Nem sempre é possível montar o home theater em uma sala exclusiva, sobretudo em imóveis pequenos. O mais comum é aproveitar parte do living para o sistema de áudio e vídeo. O fato de ser geralmente a área mais espaçosa e versátil da casa também pesa contra esse cômodo em alguns aspectos, como na hora de definir a iluminação adequada.

Enquanto as sessões de filmes pedem pouca (ou nenhuma) luz, as atividades na sala de estar ou de jantar, também integradas ao living, pedem iluminação mais forte e diferenciada. Ao adotar um prático sistema automatizado, você pode alterar completamente a iluminação do living de acordo com a ocasião. Basta programar (com a ajuda de um instalador) cenas de luz, que são acionadas a partir de um único toque no controle remoto ou painel de parede.

Subwoofer sim, mas sem chamar muita atenção
O uso do subwoofer (em geral a maior caixa do sistema), também é obrigatório nos pequenos ambientes, que costumam apresentar caixas compactas, mais limitadas na reprodução das baixas frequências.

Cabe ao subwoofer complementar o trabalho dos canais frontais nessa tarefa, distribuindo os sons graves de maneira correta e homogênea pela sala. Para desempenhar bem esse papel sem chamar muita atenção, a dica é posicionar o subwoofer no canto do móvel, perto dos canais frontais e em contato direto com o piso, evitando vibrações no móvel. Se não for possível atender à última recomendação, procure, pelo menos, acomodar o sub em um nicho com fundo falso ou sobre uma base sólida de granito ou mármore.

Sistema integrado: praticidade sob medida
Modernos, completos e fáceis de instalar, os sistemas integrados de home theater são (em sua maioria) fabricados para pequenos espaços. Na mesma embalagem, costumam apresentar um módulo DVD (ou Blu-ray)/receiver e um conjunto de caixas acústicas – para salas pequenas, dê preferência aos modelos 5.1, com duas caixas surround.

Embora não apresentem o mesmo rendimento e opções de ajustes/conexões dos sistemas com receiver e caixas acústicas independentes, esses kits podem surpreender na praticidade e no belo visual.

Soundbar: envolvimento com uma única caixa
Com os ambientes ficando cada vez menores (e o consumidor querendo se livrar ao máximo das reformas), os sistemas que trazem caixas do tipo soundbar vem conquistando seu espaço.

O princípio é simples: uma única caixa (ou duas, quando o subwoofer está presente, como na foto) com falantes que simulam o envolvimento surround de um home theater completo. Bastante indicado para pequenos quartos, por exemplo, esse tipo de solução vem sendo explorado por vários fabricantes, como Philips, Samsung, LG e Panasonic. Alguns modelos mais sofisticados incluem até um leitor de Blu-ray 3D.

Sofá em L com projetor: mais gente, menos espaço
Encostar o sofá na parede é uma solução muito útil quando se quer aumentar ao máximo a distância entre o espectador e a tela. E se a ideia for aumentar o número de assentos, melhor optar por um sofá em L, aproveitando simultaneamente dois cantos da sala.

Tomando esse e outros cuidados quem sabe você também não pode adotar um telão no seu pequeno ambiente. Isso é possível, desde que você não exagere no tamanho da tela: já dá para instalar um modelo de 84”, por exemplo, em um cômodo de 20m2 (preservando pelo menos 4m de distância em relação ao espectador). E fique atento à resolução do projetor: além de superiores em qualidade, os modelos Full-HD não costumam revelar os pontos de formação da imagem nem mesmo quando os espectadores estão mais perto da tela.

Fotos: Márcio Kato

Leia Mais